terça-feira, 30 de novembro de 2010

Se Henry entrar, Leitão perde para Ságuas por 6 votos; confira cálculos

Rdnews/Romilson Dourado

Pedro Henry luta para validar os 81.454 votos, o que lhe garantiria novo mandato, vindo a tirar Nilson Leitão que, por sua vez, derrubaria Ságuas Moraes da cadeira se os votos sub judice de William Dias (PTB) forem considerados
O resultado das urnas e os embaraços jurídicos produziram uma situação inusitada e intrigante, com três nomes na briga por duas das oito cadeiras na Câmara Federal, mesmo após as eleições. Pedro Henry (PP) obteve 81.454 votos, mas, como está enquadrado na Lei da Ficha Limpa, não foram validados, portanto, está fora. Ele ingressou com recurso. Se conseguir derrubar a decisão que cassou sua candidatura e tornar os votos válidos, será considerado reeleito. Nesse caso, quem perde a vaga é Nilson Leitão (PSDB) ou Ságuas Moraes (PT). Os três se mostram apreensivos.

Cálculos feitos especialmente para o blog pelo consultor e assessor parlamentar Valdecir Calazans, da Visão, Assessoria, Planejamento e Marketing, revelam que, se a Justiça Eleitoral computar os votos de Henry, a coligação PSDB/DEM/PTB não terá mais dois eleitos (Júlio Campos e Leitão), mas somente um pelo quociente, pois sua média ficaria em 157.620. Nesse caso, o tucano perderia a cadeira de federal porque a média é de 6 pontos de diferença entre a coligação da qual Ságuas faz parte da que congrega Leitão.

Já o bloco PT/PMDB/PR, que conquistou 4 cadeiras, elegeria 3 pelo quociente (Wellington Fagundes, Homero Pereira e Carlos Bezerra) e o petista Ságuas entraria pela média de 157.626. Esses seis votos a mais manteria Ságuas no quadro de federais eleitos. A coligação PP/PRB/PTN teria um eleito pelo quociente, que seria Pedro Henry, e Eliene Lima, com os seus 66.482 votos, asseguraria vaga pela primeira média (160.255). Já PSB/PDT/PPS mantém um eleito (Valtenir Pereira) pelo quociente, já que a média da coligação ficaria em 105.821.

Leitão ou Ságuas

Embora num primeiro momento quem perderia a vaga com a entrada de Henry seria Nilson Leitão, há um outro componente que provocaria outra reviravolta. Seria a validação dos 13.289 votos que estão sub judice, entre eles do petebista William Dias, que conquistou 2.098 votos pela coligação de Leitão. Esses votos também mudariam a composição, vindo a tirar uma vaga da tríplice-aliança PT/PR/PMDB. Quem "dançaria" seria Ságuas. O julgamento do recurso de Willian começou no TSE e, quando já registrava 2 votos favoráveis, a ministra Carmem Lúcia pediu vistas. Foi o suficiente para Leitão comemorar, já que os votos do petebista, uma vez validados, serão suficientes para garantir-lhe no cargo. O impasse deve prosseguir até meados do próximo mês, às vésperas da diplomação.

Palestra com Aly Baddauhy Jr foi um sucesso

tvaripuanã/com assessoria


Aconteceu ontem segunda-feira no CENTRO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA DARDANELOS Palestra Show com o renomado Aly Baddauhy Jr. com o Tema “Atendimento e Vendas – A diferença que dá lucro”. Badaui jr paranenesse desde 1993 atua com desenvolvimento de pessoas, nas áreas de comportamento humano, vendas, liderança e administração financeira pessoal.


Dedica-se ao estudo dos elementos que resultam em uma atitude empreendedora, tanto na vida profissional quanto pessoal.

A lei de ouro dos negócios, os 10 passos para um vendedor de sucesso, comportamento comercial, a arte da persuasão, e outros
As pessoas pagaram apenas dois 2Kg de Alimento, os alimentos arrecadados serão doados a entidades carentes do município – Através da Campanha Natal sem fome.

Os alimentos foram entregues hoje pela manha para Secretaria de Ação Social.

De acordo com varias participantes ,valeu a pena . Foi uma palestra muito enriquecedora e de fato o Porfessor Aly badaui Jt é sem duvida um dos melhores palestrantes do Brasil e Aripuanã teve a oportunidade de assistir graças ao incentivo da agusas da pedra .Disse um destes participantes.

foto Top news

Esta li no Site Terra.Mais de 20% dos eleitores não sabem em quem votaram, diz TSE

Uma pesquisa do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para as Eleições 2010 revela que uma parcela significativa dos eleitores brasileiros já não se lembra mais em quem votou nas eleições deste ano. O esquecimento é maior em relação aos cargos de deputado estadual: 23% dos eleitores entrevistados não lembraram o candidato escolhido na hora do voto.

Em segundo lugar foram os votos dados para deputado federal, onde 21,7% dos entrevistados afirmaram que não se lembram em quem votaram. No caso de senador, o esquecimento ficou em torno de 20,6%. A pesquisa foi realizada por meio de 2 mil entrevistas, divididas nas cinco regiões do país e em 24 Estados.

Um sorteio aleatório selecionou 136 municípios para entrevistar as pessoas logo após o segundo turno das eleições. O estudo ocorreu entre os dias 3 e 7 de novembro e tem margem de erro de 2,2% para mais ou para menos. Os entrevistados tinham entre 16 e 70 anos, com variação de escolaridade entre a 4ª séria do ensino fundamental e o ensino superior completo.

Meios de informação

A pesquisa também perguntou aos entrevistados qual o principal meio de comunicação utilizado para se informar sobre política e eleições. O resultado mostrou que 56,6% se informam principalmente pela televisão e 18,4% por meio de conversa com amigos e parentes. A internet apareceu em terceiro lugar com 9,9%, na frente de jornal impresso, rádio e revistas.

PM suspeito de matar colega em quartel é transferido para Cuiabá

Fonte expressomt
O soldado Alves é o principal suspeito de ter cometido o assassinato, contudo mais pessoas deverão ser ouvidas nos próximos dias.

Foi transferido para Cuiabá o policial militar suspeito de ter assassinado a tiros o soldado Fernando Marcio da Silva, de 27 anos, no ultimo dia 17 de novembro dentro do quartel da PM de Colniza. Fernando, que estava de plantão no dia do crime, foi morto com quatro tiros na cabeça e não teve chance de esboçar qualquer reação. Ele foi encontrado morto em cima da mesa do computador onde eram registrados os boletins de ocorrência.

O principal suspeito de ter cometido o crime, identificado como soldado Alves, permaneceu preso em Castanheira e agora está na Capital á disposição da Justiça. Alves foi preso através de um mandado de prisão militar após investigações das polícias Civil e Militar de Colniza o apontarem como suspeito da execução. Alves foi detido em Colniza, levado para Juína na quinta-feira da semana passada (25) e depois encaminhado ao quartel da PM do município de Castanheira (a 40 km de Juína). Hoje (29) o soldado foi transferido para a capital do estado.

Essas informações, inclusive a revelação do nome do policial, foram repassadas hoje (29) durante entrevista concedida à imprensa pelo comandante do CR VIII Coronel Monteiro, que acompanhou do início ao fim as investigações .

Monteiro não descartou a possibilidade de o soldado ser inocente, contudo ponderou que há indícios de sua participação na morte do soldado. O comandante afirmou ainda que o crime pode sim ter sido praticado por um militar ou uma pessoa próxima da vítima.

“Ele nega que tenha sido ele o autor do crime, mas agora o soldado terá trinta dias para provar sua inocência, caso contrário vamos representar pela prisão preventiva” acrescentou Monteiro.

O crime está em fase de investigação e mais pessoas poderão ser ouvidas nos próximos dias. Segundo as investigações os motivos do crime apontam para crime passional, mas tudo será apurado e elucidado, conforme garantiu o coronel Monteiro.

O soldado Alves ficará a disposição do comando geral até a finalização do inquérito policial militar que apura a morte precoce de Fernando.

Aripuanã - População diminuiu 32,58%

Total da população 18.581 pessoas


Total de homens 10.032 pessoas

Total de mulheres 8.549 pessoas

Total da população urbana 11.674 pessoas

Total da população rural 6.907 pessoas

Total de domicílios particulares 6.233 domicílios

Total de domicílios particulares ocupados 5.364 domicílios

Total de domicílios particulares não-ocupados fechados 26 domicílios

Total de domicílios particulares não-ocupados de uso ocasional 524 domicílios

Total de domicílios particulares não-ocupados vagos 319 domicílios

Total de domicílios coletivos 68 domicílios

Total de domicílios coletivos com morador 40 domicílios

Total de domicílios coletivos sem morador 28 domicílios


Mato Grosso alcançou, em 2010, a população de 3.033.991 habitantes. É o que diz o Censo Populacional divulgado oficialmente ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nos últimos 10 anos, a população mato-grossense cresceu 21,15%, índice acima do registrado na região Centro-Oeste (20,74%). Isso representa, em números absolutos, um acréscimo de 529.638 pessoas.

Comparando os censos realizados em 2000 e 2010, entre os 141 municípios do Estado, 41 sofreram redução populacional e outros 100 registraram aumento.

A maior perda populacional ocorreu no município de Itaúba, distante a 600 quilômetros de Cuiabá. A cidade perdeu 46% das 8.565 pessoas e chegou em 2010 com apenas 4.570 pessoas e foi a segunda do país em perda populacional .Além de Itaúba, os maiores decréscimos foram registrados em Novo São Joaquim (-36,15%), Aripuanã (-32,58%), Porto Estrela (-22,69%), Nova Brasilândia (-20,62%), Araguainha (-19,01%), Jauru (-18,04%), Terra Nova do Norte (-17,47%), Marcelândia (-16,99%) e Salto do Céu (-16,51%).

Em Mato Grosso a contagem populacional em 15 municípios com maior queda de habitantes em relação à expectativa do IBGE passou por revisão. Destes, apenas quatro tiveram a situação confirmada. Terra Nova do Norte, São Félix do Araguaia (-1,46%), Marcelândia e Tabaporã (-8,53%) perderam população e vão se juntar àqueles que terão perda no Fundo de Participação dos Municípios (FPM), do governo federal, que se orienta pela quantidade de habitantes para liberar recursos em cada cidade brasileira.

Entre os 100 municípios que mais cresceram, quatro superaram as expectativas do IBGE. Lucas do Rio Verde (135,79%) apresentou o melhor desempenho. O município saltou de 19.316 para 45.545. Em seguida aparecem Sapezal (129,85%), Nova Mutum (113,48%) e Juruena (106,85%).

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Oportunidade de emprego

As vagas em aberto para a UHE Dardanelos são:


- Encarregado de manutenção de Usina Hidrelétricas


- Técnico Eletricista de Força e controle de Usinas hidrelétricas


- Técnico mecânico de Usinas Hidrelétricas


- Técnico de Linhas de Transmissão de Alta Tensão


- Vigias


- Técnico de Segurança do Trabalho


- Serviços Gerais

Todos deverão possuir CNH,


As vagas são de regime CLT

Salário à combinar e Benefícios são: Assistência Médica, Assistência Odont., Vale refeição, Vale Alimentação, Auxilio Creche, Seguro de vida.

Início imediato.

Interessados ligar para 011 3336 3865 ou encaminhar currículo para o email: trabalheconosco@enex-om.com.br
Aos cuidados de Cristina

Desaparecido desde segunda, vereador de Machadinho é localizado em Mato Grosso


Carlos Alberto Geckelin estava desaparecido desde segunda-feira

O presidente da Câmara de Vereadores de Machadinho, no norte do gaúcho, foi localizado neste final de semana. Carlos Alberto Geckelin, 46 anos, estava na casa de amigos, em Mato Grosso.

Ele tinha sido visto pela última vez na segunda-feira em um posto de gasolina, na cidade de Maximiliano de Almeida. Geckelin, que também é funcionário público, dirigia um Voyage preto. Eleito pelo PMDB, ele também exerce as funções de motorista de ônibus na prefeitura da cidade.

O desaparecimento mobilizou a Polícia, que espera o retorno do vereador para saber o que aconteceu.

RÁDIO GAÚCHA

Comissão aprova incentivo a uso de leite líquido na merenda escolar


Fonte: Rádio Câmara


A Comissão de Agricultura da Câmara aprovou projeto (PL 5707/09) que garante, na merenda escolar, uma reserva de mercado ao leite na forma líquida frente ao leite em pó.

O texto, apresentado pela Comissão Especial que discutiu a crise econômica na agricultura, exige que pelo menos 40% do leite adquirido com recursos do Programa Nacional de Alimentação Escolar esteja na forma líquida.
O relator do projeto, deputado Cezar Silvestri, do PPS do Paraná, acrescentou a exigência de que o leite seja pasteurizado e a possibilidade de regulamentação para exigir outras qualidades do produto.

O parlamentar diz que a medida, além de garantir mais qualidade à merenda, beneficia principalmente o pequeno produtor.

"O leite que nós chamamos no Paraná de ´barriga mole´, que é o leite empacotado dentro do invólucro plástico, é um leite que tem mais qualidade que o Longa Vida e muito mais qualidade que o leite em pó. E, além disso, há uma melhora para os pequenos produtores rurais, porque eles vendem diretamente, através das suas associações e cooperativas, para as prefeituras e os governos dos estados, sem precisar passar pelas grandes indústrias, onde eles tinham praticamente uma redução em torno de 20% a 30%."
Laércio Barbosa, diretor comercial da usina de laticínios Jussara, também considera positivo o fim do predomínio do leite em pó na merenda escolar.

"O que acontece hoje é que a maior parte dos programas sociais que compram leite acabam optando pela compra de leite em pó. Muitas vezes, o beneficiário final do programa pode ser um produtor da Nova Zelândia, Estados Unidos ou qualquer outro país, porque o Brasil hoje é um grande importador de leite em pó. E esse leite em pó acaba atendendo os programas de compras governamentais."

O projeto que exige que 40% do leite comprado com recursos do Programa Nacional de Alimentação Escolar seja na forma líquida segue agora para a Comissão de Educação da Câmara.

Aripuanã: Moradores recebem nesta segunda-feira a Unidade do INSS

Fonte:Topnews/Luciana Lima

Estará em Aripuanã de 29 de novembro a 03 de dezembro na secretaria de Ação Social o PrevMóvel.

De acordo com a Secretaria de Ação Social, o médico perito e a assistente social estarão atendendo.

O Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Aripuanã/MT comunica aos trabalhadores (as) interessados em ser atendido pela Unidade Móvel comparecer no Sindicato com notas fiscais de compra ou venda de insumos agrícolas, documento da terra, documentos pessoais do requerente e do conjugue. O Sindicato informa ainda que a emissão de aposentadoria por idade rural é necessário ter idade de 55 anos a mulher e 60 anos o homem e é preciso comprovação de atividade rural dos últimos 15 anos.

A sede do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Aripuanã fica localizada na Rua dos Seringueiros, s/n – centro (próximo a Secretaria de Educação).



Serão atendidos os seguintes Beneficio da Previdência Social:

- Aposentadorias: por idade; por invalidez; por tempo de contribuição.

- Auxílios: acidente; doença; reclusão.

- Pensão por morte;

- Salários: maternidade

- Procurações para recebimento de benefícios

domingo, 28 de novembro de 2010

Mega-Sena acumula e deve pagar R$ 25 milhões

Nenhum apostador acertou as dezenas da Mega-Sena neste sábado (27) e o prêmio acumulou novamente. A estimativa para o próximo concurso, que será sorteado na quarta-feira (1º), é de R$ 25 milhões.
Os números do concurso 1.235, sorteados neste sábado, são 10, 16, 20, 26, 49 e 55. O sorteio ocorreu na cidade de Natividade (TO).

O valor do prêmio já estava acumulado desde a última quarta-feira (24), quando ninguém acertou as seis dezenas sorteadas.

Segundo a Caixa Econômica Federal, 83 pessoas acertaram a quina. Cada uma vai receber R$ 25.186, 56. Outras 6.028 fizeram a quadra e vão ganhar R$ 495, 42 cada.

Para disputar o prêmio acumulado, é preciso fazer apostas até as 19h do dia do próximo sorteio. A aposta mínima custa R$ 2.

Novas regras para a venda de antibióticos entram em vigor neste domingoRemédios só serão vendidos com receita, que ficará retida na farmácia.

A partir deste domingo o Estado passará a cumprir a resolução da Diretoria Colegiada de 26 de outubro de 2010, que obriga a retenção da primeira via do Receituário, na venda de antibióticos. A medida vale para todos, inclusive os usuários das farmácias populares.

A Secretaria de Estado de Saúde vai seguir as normas da Anavisa e alerta aos profissionais de saúde (médicos) sobre os procedimentos que devem adotar quando prescrever o medicamento e para as farmácias as medidas que deverão seguir.

Segundo o gerente da Farmácia Popular do Brasil, Leonardo Marin, a primeira via do Receituário de Controle Especial deverá estar legível, sem rasuras e prescrita por profissionais devidamente habilitados e contendo as seguintes informações: nome do medicamento ou da substância prescrita preferencialmente sob a forma de Denominação Comum Brasileira (DCB), dosagem ou concentração, forma farmacêutica, quantidade (em algarismos arábicos e por extenso) e posologia; identificação do emitente: nome do profissional com sua inscrição no Conselho Regional e nome da instituição e outras informações.

Outra recomendação é a retenção das receitas dentro da validade (Válidas por dez dias a partir da data de sua emissão).

Segundo Leonardo Marin, todas as prescrições retidas e dispensadas deverão ser escrituradas em um livro específico para as substâncias antimicrobianas, que abrangem todos os antibióticos com registro no país (com exceção dos que tem uso exclusivo no ambiente hospitalar). A escrituração segue o modelo utilizado para registro de medicamentos sujeitos ao controle especial.

Todos os estabelecimentos deverão manter à disposição das autoridades sanitárias (por um período mínimo de cinco anos) a documentação fiscal referente à compra, venda, transferência ou devolução das substâncias antimicrobianas bem como dos medicamentos que as contenham.

Lista dos antimicrobianos vendidos pela Farmácia Popular do Brasil sujeitos a retenção da receita.

sábado, 27 de novembro de 2010

Código Florestal divide opiniões antes mesmo de chegar ao Senado

Fonte: Agência Senado
A senadora Kátia Abreu (DEM-TO) defende a votação, ainda este ano, do novo Código Florestal que tramita na Câmara, com uma rápida aprovação no Senado, a senadora Marina Silva (PV-AC) considera o texto um grande retrocesso na proteção dos recursos florestais e quer ampliar a discussão com a sociedade.

Aguarda votação no Plenário da Câmara o substitutivo do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) ao PL 1.876/1999, que estabelece nova norma legal para a proteção das florestas e tem apoio de Kátia Abreu.
 Kátia Abreu afirma que os princípios contidos no substitutivo foram amplamente debatidos quando da tramitação do projeto na Câmara.
- Não ficou o ideal como nós, produtores rurais do país, gostaríamos que ficasse, mas ficou aceitável. Vamos avançar, precisamos de um código que preserve o meio ambiente e não atrapalhe a produção - diz a senadora pelo Tocantins.
Para Marina, a proposta em análise rompe com o princípio fundamental do código em vigor.
­- Minha expectativa é de que não seja aprovado na Câmara com esse retrocesso. Mas, se chegar assim ao Senado, não pode ser acolhido. Será preciso que a sociedade se volte para o Senado para evitar que esse imenso retrocesso seja promovido - diz Marina.
Reserva Legal

Uma das críticas de Kátia Abreu ao código em vigor diz respeito à Reserva Legal, que são porções de mata nativa que devem ser mantidas no interior das propriedades. Ela afirma que esse instrumento "não tem sentido ambiental" por ser a reserva uma mata isolada, não favorecendo o fluxo gênico animal e vegetal.

- Uma fazenda serve para produzir alimentos, empregos e lucros. Nos locais onde há risco ao meio ambiente, como as margens dos rios, devem existir matas ciliares. Mas colocar uma pequena floresta dentro de uma unidade de produção, sem nenhum sentido econômico, vai tirar a competitividade dos produtores - declarou Kátia Abreu. A senadora, que preside a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), afirma que "reserva legal não existe em nenhum lugar do mundo, porque ela não tem sentido ambiental. Ela era como reserva florestal para guardar madeira quando o mundo era tocado a carvão de lenha".

No substitutivo de Aldo Rebelo, as reservas legais que foram retiradas para produção de alimentos seriam regularizadas, sem nenhum ônus para os proprietários. Para Marina - que disputou a Presidência da República em nome do desenvolvimento sustentável -, o texto do deputado do PCdoB na verdade anistia produtores que desmataram suas terras de forma irregular.

Acusada de envenenar filhos tenta fugir da prisão em Mato Grosso

Fonte: A Gazeta


A mulher acusada de envenenar os filhos tentou fugir da Cadeia Pública de Água Boa. Rysia Nara rodrigues Campos, 26, simulou um desmaio e pediu socorro para os agentes carcerários. Os servidores levaram ela ao hospital e no local, foram informados que não havia sintomas de nenhum tipo de doenças que levasse ao desmaio. Neste momento, os agentes perceberam que a mulher tinha a intenção de ficar na unidade de saúde, onde acreditava ter mais chance de fugir. O plano dela foi frustado e a acusada voltou para cadeia.

Rysia foi indiciada por homicídio triplamente qualificado e 2 tentativas de homicídio. O filho mais novo dela, Nilton Severo da Luz, 6, morreu após a ingestão de veneno, que a acusada diluiu, junto com o namorado, no xarope. Os outros 2 filhos dela, Enildo Severo da Luz Filho, 10, e Helen Severo da Luz, 9, ainda estão internado em um Hospital em Goiânia.
A presa não confirmou o crime nos depoimentos, mas o namorado dela, Márcio Leite Theodor, 30, confessou a participação. Ele disse que ela queria atingir o ex-marido e tinha dado dose maior para Nilton porque ele parecia com o pai.

Seis presos por extração ilegal de madeira em área indígena de Juína.

 Fonte Diario de Cuiaba
Com a prisão de seis pessoas, a Polícia Federal (PF) quebrou ontem, na Operação Pharisaios, um esquema criminoso de exploração de madeira da Terra Indígena Serra Morena, da etnia cinta-larga, em Juína (a 735 Km de Cuiabá). Os presos, cujos nomes não foram divulgados, são madeireiros e empresários que estavam sendo investigados há um ano.
Segundo a PF, o esquema investigado era facilitado por pelo menos seis líderes indígenas que – embora sejam apontados como vítimas no inquérito federal - autorizavam a entrada dos madeireiros em Serra Morena a fim de extrair madeiras raras, incluindo mogno e ipê.
As toras, depois eram “esquentadas” com guias florestais simulando que a madeira havia sido retirada de áreas de planos de manejo, tudo contando com brechas no sistema de controle florestal da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema).

O esquema – cuja existência é estimada em até 20 anos - vinha sendo investigado pela PF após informações obtidas durante a operação Arco de Fogo. As denúncias, algumas remontando a 2006, e as apreensões de armas, máquinas (até uma serraria móvel dentro da terra indígena) e veículos proporcionaram algumas pistas que levaram a Inteligência da PF à identificação dos madeireiros envolvidos.

A Justiça Federal acabou expedindo 10 mandados de prisão, dois de condução coercitiva e 24 mandados de busca e apreensão. Sob o nome de Operação Pharisaios (“fariseus”, do grego), 140 policiais cumpriram os mandados ontem. Ainda falta cumprir quatro prisões temporárias, mas outras cinco pessoas foram presas por porte ilegal de arma no momento da operação.

Entre os materiais apreendidos estão documentos, caminhões, pás-carregadeiras, escavadeiras e reboques.
Os seis que tiveram prisão temporária decretada (cinco dias prorrogáveis) devem responder por uma série de crimes: exploração de floresta da União, danos à área de preservação permanente, transporte ilegal de madeira, formação de quadrilha armada, falsidade ideológica, porte ilegal de arma, receptação qualificada.

Os madeireiros e empresários agora estão proibidos de realizar qualquer extração, com seus cadastros suspensos no sistema da Sema. Ainda será levantada a quantidade de madeira extraída de Serra Morena e a PF pretende ainda realizar uma auditoria no sistema de emissão das guias florestais (Sisflora), que teria “falhas grosseiras”. Também será apurado se houve participação de servidores no esquema.

DANOS - Até o momento, a estimativa do delegado federal Wilson Rodrigues é de que Serra Morena tenha sofrido um prejuízo de pelo menos R$ 2 milhões em madeira extraída, a julgar pelos laudos produzidos por análise de satélite e considerando o preço médio do metro cúbico da madeira. Ele afirma que os índios foram ludibriados a cooperar com a exploração criminosa. “Eles foram ludibriados”.

Independente do número de madeira retirada, o superintendente do Ibama em Mato Grosso, Ramiro Costa Martins, declarou que “o prejuízo para o meio ambiente vai além disso. O importante é que nós estamos conseguindo reverter um jogo que já vem de 500 anos”.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Oportunidade de emprego

As vagas em aberto para a UHE Dardanelos são:
- Encarregado de manutenção de Usina Hidrelétricas
- Técnico Eletricista de Força e controle de Usinas hidrelétricas
- Técnico mecânico de Usinas Hidrelétricas
- Técnico de Linhas de Transmissão de Alta Tensão
- Vigias
- Técnico de Segurança do Trabalho
- Serviços Gerais

Todos deverão possuir CNH,
As vagas são de regime CLT

Salário à combinar e Benefícios são: Assistência Médica, Assistência Odont., Vale refeição, Vale Alimentação, Auxilio Creche, Seguro de vida.

Início imediato.

Interessados ligar para 011 3336 3865 ou encaminhar currículo para o email: trabalheconosco@enex-om.com.br

Aos cuidados de Cristina

soldado PM Fernando, de Colniza, que pode ter sido assassinado por um colega de farda


Fonte midia news
A Polícia Civil prendeu, na noite de ontem (24), um policial militar suspeito de ter executado com três tiros o soldado Fernando Márcio da Silva, 27, no último dia 17, dentro do quartel da PM, em Colniza . O nome do soldado não foi divulgado.


Fernando foi executado pelas costas. Conforme as investigações, a pessoa que atirou nele entrou no quartel, foi até a recepção onde o soldado estava trabalhando, conversou com ele, atravessou o balcão pela porta e, só depois, fez os três disparos contra a cabeça e as costas do Fernando.

De acordo com as informações do delegado responsável pelas investigações, Vinicius Prezoto, as suspeitas de que o assassino seja um policial militar são muitas.

"Ele [o soldado preso ontem] estava de plantão naquela noite e avisou aos outros três policiais que iria fazer um patrulhamento na cidade, que iria até a sua residência resolver um problema pessoal e que logo voltaria. Quando retornou, ele foi o primeiro a encontrar o colega morto e ligou para os outros militares", contou o delegado Prezoto ao MidiaNews, nesta quinta-feira (25).

O que mais pesa contra o militar preso ontem, segundo a Polícia Civil, é o fato de ele ter mentido no primeiro depoimento. "Segundo os outros policiais, ele ficou nervoso e pediu para que os colegas também mentissem, dizendo que ele estava no carro fazendo ronda pela cidade", afirmou o delegado.

Outros indícios de que o militar pode ser o autor do crime é a arma encontrada pela equipe de investigações. "Um revólver calibre 38 foi apreendido com o policial. Tudo indica que foi a mesma da qual sairam os tiros que mataram Fernando. A arma é do policial, porém não é registrada e foi encontrada na casa de um conhecido, que também está sendo investigado", disse Prezoto.
Segundo o delegado, em depoimento na delegacia, o policial militar negou tudo. Disse que mentiu e pediu para os colegas mentirem porque tinha se ausentado do trabalho para resolver problemas particulares. Disse que a arma é sua, mas que não ficava em seu poder.

O soldado foi encaminhado, ainda na noite de ontem, para Cuiabá. Ele vai ser interrogado na Corregedoria da Polícia Militar. Até o momento, ele está preso administrativamente, por abandono de posto. A Polícia Civil aguarda o resultado do exame de balística.
Família
De acordo com o irmão de Fernando, o também soldado da PM, Luiz da Silva, a família aguarda o desenrolar das investigações, conduzidas pela Polícia Civil de Conliza.

"Ainda está muito difícil para a gente, não temos informações. Fica difícil porque moramos muito longe de Colniza e a Policia não passa as informações que já tem. A dor é muito grande, ele [Fernando] está fazendo muita falta, principalmente para a filha de 4 anos, que chora de saudade", disse Luiz.

A execução

Fernando estava sozinho, na recepção do quartel, registrando alguns Boletins de Ocorrência no computador, quando foi executado. A informação é do delegado Vinícius Prezoto.

Outros três policiais militares que também estavam de plantão, no momento da execução, faziam ronda nas ruas da cidade. Quando retornaram à delegacia, encontraram o colega morto, com três tiros de revólver, caído sobre a mesa do computador

Irmãos são presos por posse de arma de fogo, em Colniza

Fontwe colnizaonline

A Polícia Militar prendeu Paulo Sturaro (27) e seu irmão Itamar Sturaro (28), conhecidos como “guachebinhas”, por posse ilegal de arma de fogo na região central do município de Colniza.

Durante patrulhamento na região, a polícia se deparou com um veículo Toyota Bandeirante, na Travessa dos Lírios, conduzido pelos irmãos, e ordenou que parassem para averiguação.

A abordagem foi motivada pelo fato de dias antes os militares receberem diversas denúncias sobre os suspeitos estarem portando armas de fogo nas dependências do município.
Durante checagem neles nada foi encontrado mais ao checar no interior do veículo foram localizadas duas armas de fogo, uma espingarda calibre 12 com sete munições e um revólver calibre 38 com seis munições e mais quatro reservas dentro do porta luvas do veículo.
Os suspeitos confirmaram serem de suas propriedades as referidas armas, e ainda de não possuir porte de armas e nem registro dos armamentos. Eles já possuíam diversas passagens pela polícia, entre elas por homicídio e porte ilegal de arma de fogo.
Os irmãos foram detidos e conduzidos à Delegacia de Polícia Judiciária Civil para providências que o caso requer.
Da Redação com informações da PM de Colniza

Julio Campos diz que Orçamento da União é uma ficção para estados e municípios

Fonte RDNews

O deputado federal eleito Julio Campos (DEM) garante que não teve ajuda de seu partido para se eleger em 3 de outubro. O democrata concedeu a entrevista na sala do café, no Plenário do Senado, que ele visitou nesta quarta (24) no final da tarde.
Indagado sobre como seria sua atuação na Câmara Federal, ele primeiro ressaltou a falta de apoio de seu partido na sua eleição e depois traçou sua linha de trabalho. “Serei um deputado que lutará por Mato Grosso, mas não vou deixar de olhar para as questões de relevância nacional”, enfatizou. Entre essas questões, ele relaciona o pacto federativo. “Inadmissível que os municípios continuem sendo tratados da forma que estão. Essa é uma das políticas nacionais que temos que discutir”, asseverou, exemplificando o caso do Orçamento da União.

“O Orçamento da União é uma ficção para estados e municípios”, reclamou. Com base em dados divulgados pelo Senado, das emendas apresentadas pela bancada de Mato Grosso para 2010, que totaliza R$ 439 milhões, somente R$ 16,9 milhões foram liberados até o momento. Ou seja, menos de 4%. “Há Estados, como o Pará, onde foram liberados somente 1%. E a governadora de lá é do PT. Outros Estados não receberam nenhum centavo até agora”, exemplificou o deputado.
Julio está em Brasília por convocação da Mesa Diretora para trazer documentação para a posse e escolher os gabinetes. Uma normatização da Casa determina regras para a escolha dos locais de trabalho dos parlamentares. Essa norma privilegia aqueles que possuem mais história no Congresso Nacional. Campos foi duas vezes deputado federal, uma vez senador e ocupou por oito anos a Mesa Diretora do Senado.

Por sua história, ele teve direito a escolher seu gabinete e preferiu o que vai ser deixado pela deputada Thelma de Oliveira (PSDB), segundo ele, com uma localização privilegiada. É o 524, que fica no quinto andar do anexo VI. Os deputados de primeiro mandado participam de um sorteio dos gabinetes que sobrarem.

Objeto cai do ceu em Juara e danifica telhado

colnizaonline
Um morador da Rua Oliveira, no Bairro Jardim Paranaguá, em Juara, levou um grande susto por volta das 17h desta quarta-feira, dia 17. Antônio de Souza contou que estava deitado e foi despertado por um forte barulho de um objeto que havia caído no seu telhado. Uma peça de metal quebrou duas telhas de cimento, consideradas as mais resistentes que as comum.

De início, Antônio de Souza disse que alguém havia atirado o objeto no seu telhado, mas ao analisar melhor constatou que se alguém tivesse arremessado à peça, ela não teria caído ao lado do buraco e nem causado os danos que fez.
Antônio acredita que a peça realmente caiu do céu em uma velocidade considerável para danificar seu telhado e ainda atingir uma viga que fica embaixo das telhas. Do contrário, a peça teria vazado e caído no solo.

A peça de metal, aparentando ser de alumínio carbono com um pedaço na ponta com metal de bronze de aproximadamente 30 centímetros de comprimento, pesando 500 gramas, causou receio no Sr Antônio, que nem quis colocar a mão no objeto, com medo de ser algum lixo nuclear e que pudesse ter radiação.

Com o objetivo de constatar a origem do objeto, ele convidou o Subtenente Rodrigues para ir à sua casa e ver a peça, que por dentro é aberta, com um cano de metal fino e parecendo uma corneta. O oficial, que já esteve no Exército Brasileiro e viu várias peças diferentes, contudo, não soube indicar a origem do cilindro de metal. Segundo ele,a peça estava fixada em outra parte e acabou se desprendendo.
"A peça é bastante leve e pelo que podemos observar veio de uma distância bastante longa para causar os danos" - disse.

Perguntado se poderia ser um componente de algum avião que passava por cima naquele momento, Rodrigues deixou claro que para ser de avião teria que ser mais resistente e não se desprender assim. Ele sugeriu ao morador para registrar na Polícia Civil um Boletim de Ocorrência e procurar a Aeronáutica na busca da origem do objeto, que até o momento não foi identificado e tem causado muita curiosidade na população, que agora terá que ficar mais atenta para não ser vítima de objetos que caem do céu.

Oportunidade de emprego

As vagas em aberto para a UHE Dardanelos são:


- Encarregado de manutenção de Usina Hidrelétricas

- Técnico Eletricista de Força e controle de Usinas hidrelétricas


- Técnico mecânico de Usinas Hidrelétricas


- Técnico de Linhas de Transmissão de Alta Tensão

- Vigias

- Técnico de Segurança do Trabalho

- Serviços Gerais

Todos deverão possuir CNH,

As vagas são de regime CLT

Salário à combinar e Benefícios são: Assistência Médica, Assistência Odont., Vale refeição, Vale Alimentação, Auxilio Creche, Seguro de vida.
Início imediato.
Interessados ligar para 011 3336 3865 ou encaminhar currículo para o email: trabalheconosco@enex-om.com.br

Aos  cuidados de Cristina

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Logística de transporte

ALFREDO DA MOTA MENEZES é professor universitário e articulista político.





O jornal Folha de S. Paulo publicou longa matéria sobre logística de transporte na Amazônia Legal. Tomou como base um estudo encomendado pela Confederação Nacional da Indústria e pelas federações de indústrias de Mato Grosso, Tocantins, Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Pará e Rondônia. O estudo recebeu o nome Ação Pró-Amazônia e também Norte Competitivo.

As entidades patronais vão levar o estudo aos congressistas e governadores eleitos da região. É proposta uma ação integrada para o transporte de toda a área. Não é um estado fazendo estradas descoordenado dos interesses dos outros estados.

A intenção é atuar em conjunto para resolver o grave problema de infra-estrutura de toda a região. E também, talvez pela primeira vez, tentar fazer que todos os parlamentares da área, principalmente os senadores (24 dos 8 estados), atuassem em Brasília numa mesma direção.

Veja a importância para MT do estudo feito pela Macrologística (a mesma empresa que fez os estudos para o porto de Morrinhos na hidrovia Paraguai-Paraná). Obras elencadas pelo estudo: hidrovias Juruena-Tapajós, Teles Pires-Tapajós, Paraguai-Paraná, Araguaia-Rio das Mortes e Tocantins até Estreito; estrada de ferro Carajás; BR-163 via Miritituba; ferrovia até Lucas do Rio Verde; BR-163 via Santarém; BR-364. Das onze obras, nove delas interessam ao estado.

A região coberta pelo estudo tem 5,2 milhões de quilômetros quadrados, que correspondem a 60% do território do país. A intenção é melhorar o desempenho de 16 cadeias produtivas da área.

O estudo detectou 151 projetos relevantes para a Amazônia Legal que custariam 52 bilhões de reais. Diminuíram para uma lista menor de 71 projetos com gastos de 14 bilhões. Enxugaram mais ainda, com uma lista prioritária de 34 projetos que custariam 6,8 bilhões de reais. Se saírem pelo menos esses já seria uma vitória.

O projeto critica o PAC para a área. Mostra que "o programa olha obras isoladas, sem vínculo com um sistema logístico". Ou, em palavras diferentes, fazem-se algumas obras, mas sem uma visão integrada da região.

O estudo diz que a região não seria competitiva em exportação com os países sul americanos. Vou meter minha colher de pau nesse item. Pode ser que não seja competitivo para alguns estados da região, mas para MT, MS e Acre acho que seria. Somos estados fronteiriços, produtos dos outros deveriam andar longas distâncias.

Ouso mais um passo: será que os produtos da Zona Franca de Manaus não poderiam ir até Santarém por água? Daí, através da rodovia 163, chegar a Cuiabá ou a Cáceres e serem levados para os países dos Andes? Ou, chegando em Cáceres e através da hidrovia Paraguai-Paraná, para o Mercosul? A matéria do jornal não mostra se o estudo analisou esse viés.

Logística de transporte

ALFREDO DA MOTA MENEZES é professor universitário e articulista político.


O jornal Folha de S. Paulo publicou longa matéria sobre logística de transporte na Amazônia Legal. Tomou como base um estudo encomendado pela Confederação Nacional da Indústria e pelas federações de indústrias de Mato Grosso, Tocantins, Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Pará e Rondônia. O estudo recebeu o nome Ação Pró-Amazônia e também Norte Competitivo.
As entidades patronais vão levar o estudo aos congressistas e governadores eleitos da região. É proposta uma ação integrada para o transporte de toda a área. Não é um estado fazendo estradas descoordenado dos interesses dos outros estados.
A intenção é atuar em conjunto para resolver o grave problema de infra-estrutura de toda a região. E também, talvez pela primeira vez, tentar fazer que todos os parlamentares da área, principalmente os senadores (24 dos 8 estados), atuassem em Brasília numa mesma direção.

Veja a importância para MT do estudo feito pela Macrologística (a mesma empresa que fez os estudos para o porto de Morrinhos na hidrovia Paraguai-Paraná). Obras elencadas pelo estudo: hidrovias Juruena-Tapajós, Teles Pires-Tapajós, Paraguai-Paraná, Araguaia-Rio das Mortes e Tocantins até Estreito; estrada de ferro Carajás; BR-163 via Miritituba; ferrovia até Lucas do Rio Verde; BR-163 via Santarém; BR-364. Das onze obras, nove delas interessam ao estado.

A região coberta pelo estudo tem 5,2 milhões de quilômetros quadrados, que correspondem a 60% do território do país. A intenção é melhorar o desempenho de 16 cadeias produtivas da área.

O estudo detectou 151 projetos relevantes para a Amazônia Legal que custariam 52 bilhões de reais. Diminuíram para uma lista menor de 71 projetos com gastos de 14 bilhões. Enxugaram mais ainda, com uma lista prioritária de 34 projetos que custariam 6,8 bilhões de reais. Se saírem pelo menos esses já seria uma vitória.
O projeto critica o PAC para a área. Mostra que "o programa olha obras isoladas, sem vínculo com um sistema logístico". Ou, em palavras diferentes, fazem-se algumas obras, mas sem uma visão integrada da região.

O estudo diz que a região não seria competitiva em exportação com os países sul americanos. Vou meter minha colher de pau nesse item. Pode ser que não seja competitivo para alguns estados da região, mas para MT, MS e Acre acho que seria. Somos estados fronteiriços, produtos dos outros deveriam andar longas distâncias.
Ouso mais um passo: será que os produtos da Zona Franca de Manaus não poderiam ir até Santarém por água? Daí, através da rodovia 163, chegar a Cuiabá ou a Cáceres e serem levados para os países dos Andes? Ou, chegando em Cáceres e através da hidrovia Paraguai-Paraná, para o Mercosul? A matéria do jornal não mostra se o estudo analisou esse viés.

Zoneamento sócio-econômico-ecológico no MT é aprovado para consolidar áreas produtivas

Fonte http://www.noticiasagricolas.com.br/noticias.php?id=79203
Zoneameanto sócio-ambiental do MT finalmente vai ser colocado em prática, consolidando áreas já abertas para a agricultura. De outro lado, ambientalistas confundem a sociedade, ao dizer que o zoneamento estimula o aumento do desmatamento.
Após 20 anos de insistência, o Zoneamento Sócio-Econômico-Ecológico do Mato Grosso enfim será colocado em prática, consolidando áreas já abertas para a agricultura. Desinformados, ambientalistas confundem a sociedade ao dizer que o zoneamento estimula o aumento do desmatamento nas regiões.

Ricardo Arioli, vice-presidente Oeste e diretor de sustentabilidade da Aprosoja (Associação dos Produtores de Soja), deixa claro que o zoneamento não autoriza abertura de novas áreas para produção agrícola, apenas consolida os 35 milhões de hectares (8 milhões destinados a agricultura e 27 milhões de pastagens) do que já é produtivo no Estado. Segundo ele, esse território representa 36% do Mato Grosso contra 64% de áreas intactas em preservação ambiental.

Arioli afirma ainda que o zoneamento não abrange reservas indígenas e nem áreas preservadas, e que uma não-aprovação da medida traria um retrocesso à economia do Estado.

Flagrantes dão sequência à operação iniciada em junho em outra terra indígena do Nortão, porém, sem presos


Fonte Diario de cuiaba
A Polícia Federal prendeu em flagrante seis pessoas neste último fim de semana extraindo madeira ilegalmente da reserva indígena Irantxe/Manochi, em Brasnorte (a 579 Km de Cuiabá). As prisões foram parte da Operação Fazenda Brasil, mais um desdobramento da Arco de Fogo. A PF, que agiu em conjunto com diversos outros órgãos, divulgou oficialmente seis prisões, mas haveria ainda um sétimo flagrante.
A Terra Indígena Irantxe/Manochi já havia sido alvo de operação contra a extração ilegal de madeira em junho. Segundo o chefe de fiscalização do Ibama em Mato Grosso, Luciano Guerra Cotta, as equipes da operação Arco de Fogo estiveram no local e realizaram apreensões na região sul da área, mas não houve flagrante.

Como havia indícios de que a prática ilegal não cessara, especialmente na parte norte da terra indígena, os agentes da PF com os da Força Nacional, fiscais do Ibama e da Fundação Nacional do Índio (Funai) retornaram ao local com a ajuda do líder da etnia irantxe, desta vez com flagrantes.

Além das seis prisões oficialmente divulgadas por crimes ambientais, formação de quadrilha e furto de bens da União, foram apreendidos equipamentos como quatro tratores, seis motosserras, machados, espingarda, um caminhão e seis motocicletas.

A PF ainda deixou claro que as investigações sobre exploração de madeira ilegal em áreas da União na Amazônia vão continuar. O objetivo é responsabilizar os responsáveis pela contratação de mão-de-obra utilizada no desmatamento. Por isso, também serão mantidas operações pontuais no Estado, principalmente em sua região noroeste.
Uma das mais recentes operações do tipo da Fazenda Brasil, e igualmente denominada, foi em outubro, quando também foram presas seis pessoas – entre grileiros, fazendeiros e madeireiros do Nortão - acusadas de extrair madeira ilegal na Terra Indígena Aripuanã (a cerca de 1 mil km de Cuiabá). Neste caso, o delegado da PF, Paulo Melo, chegou a afirmar que os índios cinta-larga – uma das etnias predominantes na região - facilitavam o acesso dos madeireiros à área (cinco terras indígenas e um parque), que é protegida pela União. Por outro lado, ele não sabia dizer o que os índios receberiam em troca.
COMBATE - É para combater este tipo de prática que os governos estadual e federal iniciaram ontem, em Várzea Grande, uma oficina de integração dos esforços entre as duas esferas. A intenção é concatenar e desenvolver em conjunto ações do Plano de Ação para o Controle e Combate ao Desmatamento na Amazônia (PCCDAM, federal) e do Plano de Ação do Desmatamento e Queimadas de Mato Grosso (PPCDQ, estadual) em prol do combate e controle de queimadas e desmatamento.

O trabalho em parceria com o Estado e 13 órgãos federais está sendo conduzido pela Presidência da República. O representante da Casa Civil, sub-chefe adjunto de Análise e Acompanhamento de Políticas Governamentais, Johaness Eck, argumentou que a tentativa de aproximar os órgãos e fazê-los atuar em conjunto parte do princípio de que a preservação da Amazônia não se trata apenas de uma questão ambiental.
Ou seja, trata-se também de uma questão econômica. Nesse sentido, a superintendente de Monitoramento de Indicadores Ambientais do Meio Ambiente estadual (Sema), Elaine Corsini, destaca a necessidade de o Estado e o governo federal fortalecerem as atividades de exploração sustentável da floresta e das áreas já modificadas de forma a evitar novas frentes de desmatamento. Ações deste tipo, segundo a ambientalista, deverão estar presentes num cronograma a ser produzido durante a oficina. “A redução [do desmatamento] tem sido efetiva, mas é preciso pensar em alternativas para que ela se mantenha”, defendeu.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Aripuanã sera dos municipios que terão Unidades Demonstrativas de feijão


tvaripuana/com assessoria
Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE-2009), a agricultura familiar participa com 15% da produção de feijão no Estado de Mato Grosso, produzindo em torno de dez mil toneladas. Para ampliar a área e melhorar a qualidade da cultura, o pesquisador da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Valter Martins de Almeida, e parceiros desenvolvem projeto de avaliação de genótipos de feijoeiro comum e difusão de boas práticas agrícolas para pequenos e grandes produtores.

A cultura do feijoeiro no Estado ocupa uma área de 50 mil hectares, com uma produção de 79 mil toneladas e produtividade média de 1.600 quilos por hectare. O objetivo do projeto é a recomendação de novas cultivares e a transferência de tecnologia. Segundo o pesquisador serão implantadas oito Unidades Demonstrativas (UD), nos municípios de Aripuanã, Juína, Colniza, Acorizal, São Pedro de Joselândia, Rosário Oeste, Chapada dos Guimarães e Lucas do Rio Verde. “Vamos testar dez variedades de feijão que melhor se ajustam em solo de menor fertilidade e em locais de temperaturas mais elevadas”, ressalta Martins.

Esse projeto conta com a participação de produtores, pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e técnicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Extensionistas e técnicos participaram de um curso de capacitação sobre a cultura do feijão no município de Alta Floresta, no mês de outubro, conhecendo o ciclo da cultura, cultivares mais tolerantes a altas temperaturas, programação de plantio, colheita e outros.

A pesquisa visa proporcionar um atendimento diferenciado a pequenos agricultores, dando ênfase na escolha da área para implantação da cultura, informar a época de semeadura na agricultura familiar que acontece nos meses de fevereiro/março, para o feijão da seca. Adequar o ciclo da cultura com a distribuição de chuvas (fase reprodutiva, formação e enchimento dos grãos), e variedades tolerantes a temperatura acima de 30 graus.

O feijão oferece uma proteína vegetal de baixo custo na dieta alimentar, evitando deficiências nutricionais de ferro e zinco, principalmente nas crianças. O feijoeiro comum no Estado é produzido tanto em área empresarial como na agricultura familiar.

Aripuanã: Campanha de doação de mudas para arborização urbana



Redação: Topnews
Com a intenção de aumentar a arborização urbana de Aripuanã, a Energética Águas da Pedra em parceria com a Prefeitura Municipal através da Secretaria de Meio Ambiente, criarão a campanha “Árvore da Vida”, que consiste na doação de poucas mudas para a população em geral.

Durante todo o dia 19 de novembro na Secretaria de Meio Ambiente que fica em frente a Secretaria de Educação, estará acontecendo a doação das mudas para a população. Será doada muda de Oiti espécie ideal para arborização urbana e Cupuaçu uma frutífera de pequeno porte e ambas ótimas para sombra.

O Prefeito Municipal Carlos Roberto Torremocha “Betão”, considera a ação de grande importância para o município, “uma cidade como a nossa que está na Amazônia, quase não se vê árvores no perímetro urbano” e também ressaltou que pretende buscar mais parcerias em ações como essas que são fundamentais para o futuro de Aripuanã.
O Gerente de Meio Ambiente da Águas da Pedra, Paulo Rogério Novaes explicou que através do Programa de Conservação da Flora e Germoplasma contido no PBA – Projeto Básico Ambiental da UHE Dardanelos, já doou mais de 800 mil mudas para a recuperação de áreas degradadas e pequenas campanhas isoladas em bairros para arborização urbana. O frisou que a empresa pretende fazer mais ações como essa no período das chuvas.
Qualquer pessoa que quiser uma muda ou mais para plantar na zona urbana, é só ir até a Secretaria de Meio Ambiente Municipal – SEMAM que fica em frente a Secretaria de Educação aos fundos da Escola São Francisco de Assis

Bacia do Juruena: EPE publica avaliação integrada

Da Agência Ambiente Energia - A Empesa de Pesquisa Energética (EPE) disponibilizou na sexta-feira, dia 19 de novembro, a íntegra da Avaliação Ambiental Integrada da Bacia do Rio Juruena, na região Amazônica. O documento trata dos impactos e efeitos cumulativos e sinérgicos da alternativa de aproveitamentos hidrelétricos selecionada nos Estudos de Inventário Hidrelétrico da bacia, e sua associação com os aproveitamentos em operação, em construção ou inventariados na bacia.

Segundo o estudo, nove usinas estão localizadas na bacia do Juruena, sendo seis pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) e três centrais geradoras hidrelétricas (CGHs), que somam potência de 93,7 MW. O estudo aponta ainda que estão em construção cinco PCHs. Em outorga, existem ainda sete PCHs e duas CGHs. O levantamento aponta que o rio com maior potência aproveitada é o rio do Sangue (PCHs Baruíto e Garganta da Jararaca), seguido do rio do Sacre (PCH Sacre 2).


“O rio Juruena é atualmente o terceiro em potência gerada que, com a entrada em operação das usinas em fase de construção: PCHs Rondom, Parecis, Sapezal, Cidezal e Telegráfica, e da outorga das PCHs Ilha, Segredo e Jesuíta, será responsável pela maior parte da energia a ser gerada na bacia”, diz o estudo.

As PCHs, segundo o estudo, são as maiores produtoras de energia da bacia, correspondendo a 57% do total gerado, enquanto que o montante proveniente de Usinas Termoelétricas (TEs) atinge 12%, as CGHs respondem por cerca de1% e a autoprodução de energia cobre o restante da geração na bacia

Logística é empecilho para o setor produtivo

Autor: A Gazeta


A Confederação Nacional da Indústrias (CNI) e mais 9 Federações da Indústrias que compõem a Amazônia Legal realizaram um estudo sobre os problemas logísticos e soluções para suprimento do maior gargalo da economia das regiões centro e norte do país. As análises apontam que um investimento de R$ 14 bilhões na construção de 9 eixos de integração poderiam reduzir os custos de 14 cadeias produtivas, 50 produtos e 98% da produção em toda região. Os dados foram apresentados nesta sexta-feira (19) durante II Fórum Estadual sobre Infraestrutura de Transportes.

Como maior produtor de soja, algodão e grande expansão territorial, Mato Grosso se torna um dos principais corredores carentes de investimentos. Entre os 9 eixos identificados como solução, 5 deles teriam intervenções dentro do Estado, como a conclusão da BR-163, a duplicação e melhoria da BR-364, a expansão da hidrovia Paraná-Paraguai, a construção da BR-242 (entre Sorriso e Peixe, no Tocantins), e a hidrovia Juruena-Tapajós.

Os demais pontos colocados como essenciais são a conclusão da rodovia Belém-Brasília, a melhoria das ferrovias da América Latina Logística (ALL) na malha norte e da Ferrovia Carajás e a hidrovia do rio Madeira. Em Mato Grosso um outro estudo foi realizado e apresentado especificamente sobre as necessidades e alternativas para o escoamento da produção. A elaboração foi feita pela Comitê Pró-Logística liderado por entidades das cadeias produtivas com base em análises técnicas, entrevistas e avaliações econômicas.
Neste estudo, chamado de Agenda Mínima de Mato Grosso, foi apontada a evolução no valor do frete no Estado entre os anos de 2003 e 2010, quando o essa despesa saltou de US$ 187 por tonelada para US$ 364, um acréscimo de 94%. Comparando ao custo do Paraná, outro grande produtor de grãos, o frete mato-grossense é 175% mais caro, visto que para o escoamento de uma tonelada, o produtor paranaense desembolsa US$ 132. Com esta diferença, o produtor do Centro-Oeste termina por ter um lucro muito menor do que o do produtor da região Sul. Na safra 2008/2009, por exemplo, o mato-grossense lucrou apenas 7%, ante 58% acumulado pelo paranaense. Para 2009/2010 a previsão é que o produtor de Mato Grosso amargue prejuízo de 3%, enquanto no Paraná haverá lucro de 52%.

O presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt), Jandir Milan, diz que o próximo passo é a compilação dos estudos realizados pela empresa MacroLogística sobre todos os modais e alternativas na Amazônia Legal com os estudos desenvolvidos no Estado. "Vamos unir as informações, apurar e iniciar um processo de articulação política". Entre as propostas feitas pelo comitê estão as Parcerias-Público-Privadas (PPP) como forma de acelerar o processo de reestruturação.

O diretor da MacroLogística, Olivier Girard, explica que o estudo levantou todas as possibilidades, descartando as que iriam requerer muitos investimentos e que o retorno fosse abaixo do esperado. "Dos 42 eixos que surgiram durante a pesquisa, 13 não geravam economia e 7 já existem. Do que restou, 9 se mostraram viáveis e suficientes para os próximos 20 ou 30 anos

Megaoperação prende sete suspeitos de desmatamento ilegal no MT

Band Brasil


Uma operação realizada por agentes da Polícia Federal, Ibama, Funai e Força Nacional desmontou neste sábado um grupo supostamente envolvido em extração ilegal de madeira em Brasnorte (MT), a 575 km de Cuiabá. Sete pessoas, sendo um adolescente, foram conduzidos para prestar esclarecimentos à Delegacia de Policia Civil da cidade.
A ação, realizada pela manhã, foi resultado de investigação sobre possível invasão, exploração e extração ilegal de madeira na área indígena da tribo Irantxe-Manochi.

Na reserva foram encontradas áreas de desmates feitas por queimadas, motosserras e tratores, além de toras de madeira Itaúba, prontas para serem transportadas. As clareiras feitas serão analisadas via satélite pelo Ibama, para que sejam constatadas as reais dimensões da destruição da mata.

Nesta operação foram apreendidas seis motosserras, seis motocicletas, quatro tratores, uma carreta para o transporte de toras e uma espingarda calibre 18.

As seis pessoas responderão por crime ambiental e formação de quadrilha. O adolescente também responderá pelo ato infracional. Nenhum dos envolvidos possuía qualquer ligação com a tribo indígena que habita a reserva.

Aeronáutica confirma que avião desaparecido caiu no Nortão

Só Notícias - Sinop


A Aeronáutica confirmou que foi encontrada, no final da tarde de domingo, a aeronave agrícola que havia desaparecido na quinta-feira na região de Tapurah e Nova Mutum. Os destroços foram localizados a cerca de 300 km ao Norte de Cuiabá. "O local é da mata fechada e de difícil acesso. O avião foi localizado mas, como é muito difícil chegar ao local, não temos informações sobre o piloto" - disse um oficial do Aeronáutica.

A localização foi feita pelo Esquadrão de buscas e salvamentos sediado em Campo Grande (MS). Hoje, um helicóptero - que deixou Cuiabá logo nas primeiras horas da manhã - vai ao local. Um major do Centro Regional de Investigação e Prevenção a Acidentes (Ceripa), de Brasília, também foi designado para acompanhar o caso e iniciar as investigações sobre o acidente.
A aeronave estaria sendo pilotada por Vandecir Bispo de Souza, que é de Jaciara, cidade da região Sul do Estado. Luciano Barbosa Neves é primo do piloto que está desaparecido na região desde quinta-feira. Foi ele quem acionou o Comando Regional da Aeronáutica em Campo Grande.

O avião desapareceu no trajeto entre Tapurah e Nova Mutum. Ao que tudo indica, estava fazendo pulverização em lavouras quanto houve o acidente. Desde sábado, a Aeronáutica tem feito buscas.

Na quinta-feira, foi registrado um outro acidente envolvendo avião agrícola, na mesma região. O piloto Rafael Segala, 25 anos, perdeu o controle da aeronave Ipanema, de propriedade de um empresário do ramo de Sorriso. O vôo estava sendo realizado em uma lavoura na localidade do Barreiro, distante 60 quilômetros do centro da Sorriso, no Norte do Estado.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Revista diz que Maggi é nome mais forte da nova bancada ruralista

Fonte Rdnews
O ex-governador de Mato Grosso e senador eleito Blairo Maggi (PR) surge como nome mais forte da nova bancada ruralista, que chega ao Congresso Nacional com uma agenda ambiciosa de propostas para o campo, conforme aponta reportagem da revista Dinheiro Rural deste mês. Segundo Maggi, "o agronegócio tem que ser tratado como o setor mais estratégico para o desenvolvimento brasileiro".

Popular em seu Estado e com prestígio entre produtores de todos os portes, de pequenos a grandes, ele (Maggi) é visto como o interlocutor que faltava aos ruralistas para levar seus anseior ao governo e unir a desarticulada bancada num período repleto de votações sensíveis para o agricultor", diz trecho da reportagem.

Ainda segundo a revista, a grande expectativa gerada em torno do nome do republicano se deve, principalmente, devido à sua proximidade com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). "O capítulo rural no programa de governo da candidata Dilma Rousseff (PT), por exemplo, traz sugestões oferecidas pelo ex-governador. Vinculando sua imagem à de Lula, Maggi pautou sua campanha propondo melhora nas condições de produção para pequenos e médios agricultores e a luta pela regularização fundiária, processo que se arrasta mesmo com a aprovação de uma nova lei para o tema, em 2009".

Mesmo assim, o republicano garantiu durante toda a corrida eleitoral que não quer ser tachado como "senador ruralista" e sim como alguém comprometido com os interesses do Estado, mostrando, assim, uma característica até então desconhecida dos eleitores: a de empresário rural comprometido com a sustentabilidade ambiental. Mas nem sempre foi assim. Maggi, no início de seu primeiro mandato frente ao Palácio Paiaguás, chegou a receber o troféu "Motoserra de Ouro", concedido em 2005 por ONGs ambientalistas aos maiores desmatadores do país.

Desde então, o então governador trabalha para reverter a imagem. Chegou a ser considerado, incluisve, o "queridinho" dos ambientalistas. Um claro exemplo é o o ex-ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, com quem Maggi protagonizou diversas cenas de troca de farpas para depois, se tornarem amigos, rasgando elogios e cordialidades.

"A conquista de uma bancada com maior peso nas votações do Congresso se tornou uma meta das principais associações e empresas do setor. Segue o raciocínio de que, dado seu peso na economia, o setor agrícola deve buscar eleger um número de representantes compatível com sua importância na economia", aponta a revista.

São 367 mil eleitores pendentes em MT




Os eleitores ainda podem dar explicações para a Justiça Eleitoral sobre a ausência durante a eleição

Levantamento realizado ontem pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) revela que 367.311 eleitores do Estado ainda estão pendentes com a Justiça nas eleições de 2010. Os eleitores que não votaram e não justificaram a ausência no processo eleitoral em três eleições consecutivas têm o título eleitoral cancelado.

A legislação eleitoral permite que a justificativa seja realizada até 60 dias após as eleições. Cabe ao votante explicar a ausência em cada um dos turnos eleitorais. Entretanto, nessa etapa é preciso se dirigir ao cartório eleitoral onde consta a inscrição para solicitar a justificativa. Também é preciso dar suporte ao pedido, através da apresentação de documentos e ainda de explicações sobre a falta no processo eleitoral.

A não quitação com a Justiça Eleitoral gera impedimentos para o eleitor, como em relação a instituições bancárias, a participação em concurso público e ainda em relação à obtenção de passaporte. Cabe ao juízo eleitoral deferir ou não o pedido de justificativa. Nas eleições deste ano o Tribunal disponibilizou, além das seções tradicionais, mesas receptoras específicas para justificativa.

No levantamento realizado pelo TSE, o quadro aponta que em relação à primeira votação a regularização chega a 32,20% dos 24.610.296 eleitores que não compareceram às urnas. No segundo turno a quitação eleitoral chega a 32,83% do total de 29.197.152 votantes ausentes.
A Justiça Eleitoral alerta que termina no dia 2 de dezembro o prazo para apresentação de requerimento para justificativa dos que faltaram ás urnas no primeiro turno. Quem deixou de votar ou justificar no segundo turno tem até o dia 30 de dezembro para sanar o débito com a Justiça Eleitoral.

No pedido de justificativa deve constar o nome, data de nascimento, filiação, número do título e endereço atual. O eleitor também deve informar o motivo da ausência à votação, cabendo ainda apresentar cópia de documento que comprove sua identidade. Dados incorretos podem gerar indeferimento do pedido.

Fiemt promove fórum de logística e apresenta estudo inédito sobre o tema

tvaripauna/com assessoria

Um estudo tecnico de alto nivel, que confirma o que a muitos anos os empresarios da região norte de Mato grosso ja sabiam. Ou seja , a solução de logistica é a saida para o norte.

O assunto logística, em âmbito regional, já é muito conhecido por todos tanto da classe empresarial quanto da própria sociedade, principalmente os entraves relacionados ao tema. Contudo, as soluções para os problemas de Mato Grosso ainda se mostram ‘tímidos’, frente à real necessidade estadual. Diante do fato, um completo e inédito estudo sobre o tema foi elaborado para servir de subsídio às ações do poder público, e será apresentado durante o II Fórum Estadual de Infraestrutura de Transportes de Mato Grosso, no dia 19/11, a partir das 8h, na sede do Sistema Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Sistema Fiemt).
O estudo compõe o Projeto Norte Competitivo, que analisa a complexa realidade socioambiental e geográfica da região Amazônica e propõe a implementação de uma infraestrutura de transporte - baseada em eixos de desenvolvimento - que forme um sistema de logística integrado, sem fronteiras estaduais, e intermodal, privilegiando aquele de menor custo. O projeto foi realizado pela Ação Pro-Amazônia - grupo formado por nove Federações de Indústrias dos Estados que compõem a região da Amazônia, Norte e Centro-Oeste, da qual a Fiemt faz parte -, em parceria com a consultoria Macrologística, e lançado em nível nacional nesta semana em São Paulo.

Durante o Fórum Estadual no dia 19/11, o foco será a pesquisa com ênfase no s dados de Mato Grosso. A apresentação dos resultados será feita pelo diretor do Projeto Norte Competitivo, Olivier Girard.

Na ocasião haverá também o lançamento da Agenda Mínima da Infraestrutura de Logística e Transportes de Mato Grosso, elaborada pela Fiemt, apresentada pelo presidente em exercício da instituição, Jandir Milan. O diretor Geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), Luiz Antonio Pagot, convidado do encontro, falará sobre o Panorama Geral da Infraestrutura no Estado na visão do DNIT. Além dessas, uma explanação das ações do Movimento Pro-Logística, feita pelo coordenador da iniciativa, Edeon Vaz Ferreira, complementa o evento. Após as palestras, o Fórum abrirá espaço para um debate entre os presentes.
O II Fórum Estadual de Infraestrutura de Transportes de Mato Grosso é promovido pela Fiemt, em parceria com o governo do Estado, por meio da Secretaria de Indústria, Comércio, Minas e Energia (Sicme). As inscrições são gratuitas e limitadas.
Mais informações podem ser obtidas pelos telefones: (65) 3611-1666/1654 ou operacional.ueda@fiemt.com.br

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Suspensa audiência em Sinop

A audiência pública que seria realizada amanhã pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) para apresentação do Estudo de Impacto Ambiental da Usina Hidrelétrica de Sinop foi suspensa por determinação judicial.

A decisão liminar, concedida pela Justiça Federal, é resultado de uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 3ª Promotoria de Justiça Cível de Sinop. Com o cancelamento da audiência, o procedimento que dispõe sobre o licenciamento ambiental da referida usina ficará suspenso.

Segundo o MPE a ação do MPE buscou garantir a suspensão liminar do procedimento de licenciamento por entender que a condução do processo não compete à Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), mas ao Ibama. Ainda segundo o MPE a usina hidrelétrica de Sinop integra um Complexo Hidrelétrico, portanto, as obras devem ser analisadas como um todo, pois devem gerar grandes impactos ambientais regionais. O referido complexo é composto ainda pelas UHE São Manoel, UHE Teles Pires, UHE Colíder, UHE Magessi e UHE Foz do Apiacás.

Na ação, o MPE requereua nulidade do procedimento de licenciamento ambiental da UHE de Sinop e, cumulativamente, das demais componentes do complexo hidrelétrico do Rio Teles Pires, cujo procedimento de licença ambiental esteja a cargo da Sema. A liminar concedida pela Justiça Federal garante apenas a suspensão do procedimento para licenciamento da Usina de Sinop.

O magistrado determinou o chamamento do Ibama para manifestar-se e depois decidirá sobre o pedido liminar mais detidamente. A liminar foi concedida ao Ministério Público nesta terça-(16), pelo juiz federal substituto, Murilo Mendes

Gráfica custeará reaplicação do exame


Agência Brasil

A gráfica responsável pela impressão do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) irá custear a reaplicação das provas para os alunos prejudicados pelos erros nos cadernos amarelos. A informação foi confirmada nesta quarta pelo ministro da Educação, Fernando Haddad.
Após participar de audiência pública na Câmara dos Deputados para prestar esclarecimentos sobre o Enem, Haddad afirmou que a data da reaplicação das provas deverá ser anunciada na próxima semana, depois que o Cespe e a Cesgranrio, especializados em organizar concursos públicos e vestibulares, finalizarem a análise das atas das salas de aula onde os candidatos fizeram as provas.

Mas o ministro adiantou que a expectativa do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), responsável pelo exame nacional, é que a reaplicação seja marcada para dezembro e que o calendário das universidades

Colniza: PM é morto dentro do Copom

Ivonei cheminski -

Colniza online



Na noite de terça-feira(16) por volta das 22:15 o Soldado da Polícia Militar Fernando Márcio da Silva de 27 anos, foi assassinado a tiros dentro da unidade do Copom de Colniza.


A guarnição da PM ao chegar ao Copom após realização de de rondas encontrou o policial debruçado sobre a mesa com sinais de disparos de arma de fogo.

O PM Fernando Márcio da Silva foi levado pelos próprios colegas na viatura até o Hospital Minicipal onde foram informados pelo médico plantonista que o PM já se encontrava em óbito,o médico informou também que o mesmo teria sido morto com três tiros na cabeça a curta distância.

Na cópia do boletim de ocorrência repassado a nossa reportagem consta que foi feita uma verificação na arma do policial pelo 1° Tenente Fernades comandante do policiamento de área de Colniza e a mesma estava no coldre sem munição na câmara sendo descartada a possibilidade de um suicídio.

A Polícia Civil realizou perícia no local onde foi encontrado um projétil aparentemente calibre 38.

O PM Fernando Márcio da Silva era formando da 1º turma de policiais de Juína.

Os autores e o motivo de um crime tão ousado ainda é desconhecido,policiais do municípios de Aripuanã, Colniza, Cotriguaçu,Juína e Juruena estão em Colniza ajudando na investigações do crime.

o coronel PM Luiz Cláudio Monteiro da Silva, comandante Regional da PM no Noroeste do Estado se deslocou para Colniza e disse que não há motivo para aumento do efetivo policial por ser um caso isolado,mas que a polícia já tem uma linha de investigação a seguir.

Samsung deve anunciar TV com sistema do Google em janeiro, diz site


Folha Online



A Samsung planeja anunciar uma televisão com o sistema Google TV em janeiro, segundo um representante da empresa. As informações são do blog de tecnologia Mashable.

Segundo o blog, a empresa está "aberta" a usar o chip da Intel em suas TVs.

Em outubro, a Sony já anunciou aparelhos projetados para usar a tecnologia que junta funções da internet aos aparelhos televisores. Os dispositivos, de alta definição, virão com telas LCD que variam de 24 a 46 polegadas, a preços recomendados que variam entre US$ 600 e US$ 1.400.

Ambientalistas e o MPE contestam zoneamento

Tv aripuanã

A aprovação do Zoneamento Sócioeconômico e Ecológico de Mato Grosso (ZSEE) na Assembleia Legislativa causa incômodo entre ambientalistas e representantes do Ministério Público Estadual. A caminho do Palácio Paiaguás, a lei que delimita as áreas produtivas e de reservas do Estado deve ser sancionada pelo governador em até 15 dias. Mas a efetivação da lei só se dará após a aprovação da Comissão Nacional de Zoneamento e por isso, organizações não governamentais, representantes políticos e do poder judiciário articulam um movimento político para alertar os integrantes da Comissão sobre o que eles apontam de  distorções do projeto aprovado.

Por outro lado o  presidente da Comissão de Meio Ambiente da Associação dos Produtores de Soja e de Milho de Mato Grosso (Aprosoja), Ricardo Arioli, diz que o texto do zoneamento não amplia áreas de produção ou diminui as de preservação, apenas consolida onde já é produzido.

Projeto aumenta prazo de validade de habilitação provisória

Tramita na Câmara projeto de lei (7835/10) do deputado Dr. Ubiali, do PSB de São Paulo, que aumenta de um para três anos o prazo de validade da permissão para dirigir - a chamada habilitação provisória.
A permissão é concedida às pessoas aprovadas nos testes de direção. Ela é uma espécie de período de experiência ao qual os recém-habilitados ficam submetidos.
De acordo com Dr. Ubiali, dados divulgados pelo Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - apontam quase 100 mortos e mais de mil feridos por dia em acidentes de trânsito no Brasil. São mais de 35 mil pessoas mortas e 400 mil feridas a cada ano.
Além das perdas humanas, os gastos causados por esses acidentes passariam da casa dos R$ 30 bilhões ao ano.
Para tentar melhorar esse quadro, Dr. Ubiali apresentou o projeto de lei.

"Esse primeiro ano, já ficou demonstrado estatisticamente, em que há um número menor de infrações, tanto graves ou médias, porque o indivíduo que está com essa carteira provisória teme não receber a sua carteira de habilitação definitiva se cometer essas infrações. O que nós estamos querendo: que passemos esse um ano para três anos. Exatamente o que acontece hoje com a chamada adolescência tardia. Cada vez mais as pessoas ficam mais tempo nesse período de adolescência, em que há uma efervescência hormonal e as pessoas acabam se expondo muito mais ao perigo. Então uma previsão de punição, de perda de habilitação por um tempo maior evitará um número maior de acidentes."

Hoje, para ter acesso à carteira de habilitação definitiva, o condutor não pode cometer nenhuma infração grave ou gravíssima, ou ser reincidente em infrações médias, nos primeiros 12 meses depois de receber a permissão.

O projeto ameniza essa determinação. Pela proposta, durante a fase da carteira provisória, o condutor não poderá cometer nenhuma infração gravíssima, mas pode cometer uma grave, desde que não seja reincidente. Também não pode cometer mais de três infrações de natureza média.

O especialista em trânsito Celso Alves Mariano avalia que a proposta do deputado Dr. Ubiali é bem intencionada, mas acha que ela não ajudará muito. Na opinião do especialista, o projeto "arrocha de um lado e afrouxa de outro".
"A maioria dos acidentes não acontece com as pessoas recém-habilitadas. A legislação que nós temos hoje já é adequada. O nosso problema é que nós não a cumprimos, nós somos tolerantes demais, nós temos problemas de fiscalização. E não vejo uma necessidade maior de aumentar esses prazos do que, por exemplo, melhorar a qualidade do processo de formação. Aí, sim, na qualidade do processo de formação nós temos muito o que colaborar e aí eu acredito que teremos um benefício imediato, consistente, muito mais significativo do que tentar os paliativos, ou tratar das consequências. Na minha opinião, aumentar o prazo temporário é bem-vindo, mas pouco eficiente."

O projeto deverá ser analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e ser votado pelo Plenário.

Fonte: Rádio Câmara

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Norte precisa de nova logística, aponta estudo ,trabalho lista 71 projetos que ajudariam o escoamento da produção, e parte deles nem está no PAC



O milho produzido em Lucas do Rio Verde (MT) é exportado para a China via porto de Paranaguá (PR). A mercadoria percorre 2,2 mil quilômetros (km) de caminhão, passando pelas BR-163 e BR-364, até o porto e de lá segue de navio até Xangai, via canal do Panamá. O custo do frete por tonelada de milho em todo o trajeto chega a R$ 226, sendo que 73% é referente ao transporte rodoviário dentro do país. Esse valor poderia cair para R$ 136, caso a região contasse com uma hidrovia nos rios Juruena (MT) e Tapajós (MT e PA), que levasse o milho até o porto de Vila do Conde (PA), o que diminuiria para 200 km o percurso de caminhão e permitiria a saída da mercadoria pelo Norte do Brasil. O custo do transporte em território nacional cairia para R$ 81 a tonelada.

O cálculo faz parte do estudo Norte Competitivo, realizado pela consultoria Macrologística a pedido das indústrias localizadas na área da Amazônia Legal - região Norte mais os Estados do Mato Grosso e do Maranhão. Segundo o documento, o custo do transporte de todos os produtos originados ou destinados à região é de R$ 17 bilhões por ano. O cálculo considera gastos com deslocamento, fretes e tarifas portuárias.
Segundo o levantamento, a região possui nove eixos prioritários de investimentos em logística, que reduziriam o custo de transporte na região em R$ 3,8 bilhões ao ano. Para tanto seria necessário investir R$ 14 bilhões num conjunto de 71 projetos, na maioria hidroviários (38%), avaliados como de menor custo para investir e para utilizar.

Considerando 34 projetos que poderiam ser realizados no curto prazo, segundo o estudo, a um custo de R$ 6,8 bilhões, apenas 12 estão no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) ou previstos no PAC 2. Três são investimentos privados, da Vale e da ALL Logística. A maioria, porém, está fora do planejamento federal.
Segundo o consultor da Macrologística Olivier Girard, o estudo partiu de uma visão integrada dos investimentos, enquanto o planejamento do governo, como o Plano Nacional de Transporte e Logística (PNLT), possui projetos mais pontuais. "Utilizamos os planos do governo como fonte, e percebemos que eles não levam em consideração a integração necessária para levar os produtos da sua origem ao destino", diz ele.

A navegação nos rios Juruena e Tapajós, por exemplo, não está no PAC e é considerada uma das saídas que traria maior competitividade para a região Norte. A viabilização da hidrovia demanda investimento de R$ 1,2 bilhão, um projeto ainda a ser desenvolvido, e é prevista uma movimentação potencial de 9,5 milhões de toneladas de grãos pela via em 2020. Como base de comparação, apenas cerca de 4 milhões de toneladas de grãos são transportados atualmente por ano pela hidrovia do rio Madeira, única rota fluvial para o produto na região.

As hidrovias Paraguai/ Paraná e Araguaia seriam outros dois investimentos hidroviários que poderiam dar grande retorno à produção na região, de acordo com o levantamento. O mais vantajoso no setor ferroviário é a extensão da ferrovia Ferronorte até Lucas do Rio Verde (MT). No transporte rodoviário, a melhoria das rodovias BR-364 e BR-163 são destaque.

Por outro lado, alguns projetos presentes nos investimentos prioritários do governo federal, como a ferrovia Norte-Sul, tiveram impactos considerados pouco representativos para o custo logístico da região, segundo o estudo. A extensão da ferrovia Leste-Oeste até Ilhéus (BA), por sua vez, não deve gerar nenhuma economia para a produção da Amazônia Legal, assim como a extensão Oeste da Norte-Sul, via Itaqui (MA). Os eixos de integração internacional, de escoamento nos portos pelo oceano Pacífico, também não se mostraram competitivos

Ciclo de Capacitação "Gestão Eficaz" do TCE reúne 280 gestores em Cuiabá

fonte Odocumento


Cerca de 280 gestores públicos de 14 municípios de Mato Grosso, entre prefeitos, vereadores, controladores internos, assessores jurídicos e contábeis participam, nesta quinta-feira (11/11), do Ciclo de Capacitação "Gestão Eficaz" do Tribunal de Contas de Mato Grosso. O evento acontece no auditório da Escola Superior de Contas. O objetivo é transferir conhecimento em temas relacionados à rotina da administração pública.



A capacitação em Cuiabá é a última edição do ciclo de oito eventos abrangendo os municípios polos de Aripuanã, Água Boa, Vila Rica, Primavera do Leste, Sinop, Tangará da Serra e São José dos Quatro Marcos.



“Capacitações como essa demonstram o papel preventivo do TCE, que não apenas fiscaliza a aplicação dos recursos públicos, mas verifica as dificuldades dos gestores e busca orientar, sanar suas dúvidas, a fim de contribuir com o aprimoramento da gestão pública”, observou o auditor substituto de conselheiro Luiz Henrique Lima, que representou o conselheiro presidente Valter Albano na abertura do evento.



De acordo com o auditor substituto, sempre é possível observar os princípios da legislação – como legalidade, economicidade, eficiência e eficácia, mesmo para os municípios com pouca estrutura. “Já aprovamos contas de municípios pequenos e distantes da Capital sem nenhuma irregularidade”, frisou Luiz Henrique Lima.



As palestras “Os Novos Desafios do Controle Externo para o Aprimoramento da Gestão Pública” e “Licitações e Contratos: temas polêmicos” foram ministradas pela secretária Geral de Controle Externo do TCE, Risodalva de Castro, e pelo assessor técnico da Secretaria de Desenvolvimento Institucional, Volmar Bucco, respectivamente.



A programação segue no período da tarde com palestras sobre os entendimentos técnicos do Tribunal de Contas sobre limites de despesa de pessoal, verba indenizatória, limites e vedações do Poder Legislativo, nepotismo, controle interno, contabilidade pública e função contábil. Os assuntos são abordados pelo chefe da Consultoria Técnica, Ronaldo de Oliveira Ribeiro, e pelo consultor de Orientação ao Jurisdicionado, Bruno Anselmo Bandeira.



Nesse Ciclo de Capacitação “Gestão Eficaz” o Tribunal de Contas levou orientações a cerca de 1.600 gestores estaduais e municipais, em 2010. Em Cuiabá, o evento contou com a participação de representantes de municípios como Acorizal, Alto Paraguai, Arenápolis, Barão de Melgaço, Jangada, Chapada dos Guimarães, Diamantino, Nobres, Nortelândia, Nossa Senhora do Livramento, Poconé, Rosário Oeste, Santo Antônio do Leverger e Várzea Grande.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

STF coloca área em disputa com o Pará no Zoneamento Ambiental de MT


O reforço do ativo ambiental do Estado e a possibilidade de redenção dos nove municípios mato-grossenses instalados na faixa de fronteira com o Pará já não são mais uma realidade distante para cerca de 200 mil habitantes do extremo norte. Nesse contingente está incluída a população que reside no lado paraense e que também vive a expectativa de ser inserida efetivamente no contexto de uma cidade.

Agora, todas as atenções estão voltadas para o laudo pericial a ser produzido pelo Exército Brasileiro e a decisão que ele vai gerar no Supremo Tribunal Federal (STF) até meados de 2011. Essas etapas serão determinantes para que os cerca de 2,2 milhões de hectares da área em litígio possam ser reinseridos no território mato-grossense e, consequentemente, no Zoneamento Socioeconômico Ecológico de Mato Grosso.

Se os mais de 220 mil km² da faixa de fronteira que está no STF – com extensão superior a 80% de sua mata nativa preservada – forem integrados à área atual de Mato Grosso (980 mil km²) – o ativo ambiental do estado será bem superior ao contabilizado atualmente, mesmo sem as reservas minerais como Carajás (uma das maiores do país), por exemplo.

O tamanho dos prejuízos absorvidos até agora por Mato Grosso tem fortes reflexos nos municípios que fazem divisa com o Pará e que oferecem toda a infraestrutura aos habitantes da região como estradas, escolas, segurança e hospitais, entre outros itens.

Eles são (em ordem alfabética): Alta Floresta, Guarantã do Norte, Matupá, Novo Mundo, Paranaíta, Peixoto de Azevedo, Santa Cruz do Xingu, Santa Terezinha e Vila Rica.

Famato agradece Assembleia pela aprovação do Zoneamento

O presidente da Famato (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso), Rui Prado, acompanhado de uma comitiva de diretores da entidade e presidentes de Sindicatos Rurais de vários municípios, reuniu-se com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Mauro Savi (PR), para agradecer a votação do projeto do Zoneamento Socioeconômico e Ecológico de Mato Grosso.

“Com a aprovação da Lei do Zoneamento, Mato Grosso vai conseguir caminhar no sentido do desenvolvimento com preservação. É claro que não agradou a todos os setores, mas nós do setor de produtores rurais, sabemos da importância da aprovação dessa lei”, destacou o presidente Rui Prado.

Para o deputado Mauro Savi a aprovação do Zoneamento garante ao Estado um mecanismo não só de lei, mas de discussão com a sociedade, com o Conama e com o Congresso Nacional. “Quem conhece o Estado e sabe das suas necessidades é quem participou das audiências públicas”, frisou o presidente.
O deputado Adalto de Freitas, o Daltinho (PMDB), falou da necessidade de o setor se unir para garantir a sanção da lei. “O deputado Mauro Savi é convicto da defesa dessa Casa ao setor, mas o Governo é uma colcha de retalhos”, alertou ao ponderar ainda que a Assembleia esta aberta para discutir todas as demandas do setor produtivo.
Rui Prado lembrou ainda que a discussão do Zoneamento vai extrapolar os limites do Estado, uma vez que vai passar pelo crivo do Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente). “Temos certeza que essa lei vai ajudar a desenvolver o Estado, porque o Zoneamento traz uma segurança para que consigamos produzir e preservar. Então nós só temos a agradecer a sensibilidade do deputado Mauro Savi que colocou o projeto em votação”, finalizou.
O projeto de Zoneamento foi encaminhado à Assembleia Legislativa no primeiro mandato do governador Blairo Maggi em 2004. Porém, a elaboração do projeto começou ainda no governo Dante Martins de Oliveira. Em 2005, o projeto foi retirado da Assembleia para receber adequações, sendo encaminhado novamente em 2008.

De lá para cá, a Assembleia Legislativa realizou inúmeras audiências públicas, em vários municípios, para discutir o projeto. No dia 27 de outubro, a matéria foi aprovada em segunda votação, após passar pelas comissões de mérito e de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), e segue para sanção do governador Silval Barbosa